Isso aconteceu em um curto período, pouco mais de dois anos.

Em 1879, quando ainda era Vila de Ribeirão Preto, um grupo de moradores sugeriu a alteração, que foi aprovada pela Câmara Municipal e depois pelo governo da província - como eram chamados os estados. A justificativa, registram os livros, era a confusão com o distrito de Bom Jesus do Ribeirão Preto, na região de Faxina (atual Itapeva).

 A escolha pelo nome Entre Rios, ratificada pela lei provincial nº 34, de 7 de abril de 1879, foi pelo fato dessas terras estarem localizadas "entre os rios Pardo e Mogi Guaçu". Mas a nova denominação durou pouco.

 

Consta que a maioria da população, argumentando que os rios passavam "muito longe do povoado", não aprovou o novo nome e realizou um abaixo-assinado pedindo nova alteração. 

E, então, pela lei provincial nº 99, de 30 de junho de 1881, a localidade voltou a ser chamada de Vila de Ribeirão Preto, em homenagem ao curso d'água que nasce em Cravinhos (que naquela época também fazia parte do território de Ribeirão Preto), passa por Bonfim Paulista, pelas avenidas Caramuru, Jerônimo Gonçalves e Fábio Barreto, seguindo pela Via Norte até desaguar no Rio Pardo.

 Embora a duração do nome "Entre Rios" tenha sido pequena, foi suficiente para entrar para a história. Sob essa denominação foi inaugurada a primeira agência dos Correios na vila, sendo "Entre Rios" o nome que aparece nos carimbos das cartas precursoras, até hoje muito disputadas e valorizadas por colecionadores.

 

Ah, você deve estar se perguntando: e a "outra" Ribeirão Preto?

Virou branco...

 

Pela lei provincial nº 28, de 29 de março de 1883, a então Capela do Bom Jesus do Ribeirão Preto foi transformada em Distrito de Paz sob a denominação de Bom Jesus do Ribeirão Branco, nove anos depois simplificado apenas para Ribeirão Branco!

 E assim, Entre Rios, embora não tenha permanecido como nome oficial de Ribeirão Preto, segue eternizado na memória da cidade até hoje!