A paixão pela velocidade e o automobilismo corre no sangue dos brasileiros.


É assim há muito tempo, bem antes das conquistas de Ayrton Senna, Emerson Fittipaldi e Nelson Piquet. Em Ribeirão Preto não é diferente. Há mais de 100 anos os jornais já noticiavam provas - e não só de automóveis, mas também de motos e bicicletas!


"Realisou-se no domingo ultimo um interessante "raid" de motocycletas (...) O percurso foi de 10 kilometros. Para commemorar a data de 15 de novembro estão sendo organisadas para esse dia grandes corridas de automoveis, bicycletas e motocycletas na estrada do Rio Pardo (...). Aos vencedores serão conferidas medalhas de ouro." (Notícias do jornal A Cidade em 1917. Mantida a grafia da época)


Ribeirão Preto, aliás, pode ser considerada um berço de amantes da velocidade com grande destaque nacional e internacional. Um deles é Paulão Gomes, que embora seja natural de Patos de Minas chegou à cidade aos sete anos e se radicou. Campeão quatro vezes da Stock Car Brasil (1979, 1983, 1984 e 1995) e das Mil Milhas Brasileiras em 1985, Paulão transmitiu a paixão pela velocidade aos filhos Pedro Gomes e Marcos Gomes, que também correm na Stock Car Brasil.



Outro ribeirãopretano veloz nas pistas é Fábio Sotto Mayor, campeão da Stock Car Brasil em 
1988 e que, três anos depois, bateu o recorde brasileiro de velocidade com um carro alcançando a marca de 303 km/h. Contemporâneo a eles, João Bá Aguiar nasceu em Batatais mas mudou-se ainda bebê para Ribeirão Preto, cidade pela qual conquistou o Campeonato Brasileiro de Marcas de 1976, pilotando um Dodge Polara, e foi vice-campeão brasileiro da Fórmula Uno Turbo, em 1987.



Ainda acelerando fundo nas pistas norte-americanas, o ribeirãopretano Hélio Castroneves é 
um dos maiores nomes do automobilismo mundial. Venceu a milionária Milhas de Indianápolis por três vezes (em 2001, 2002 e 2009) e acumula diversas outras conquistas na IndyCar.