Nascida da paixão pelos vinhos do empresário José Renato Magdalena junto ao empresário e enófilo Fernando Horta, a Terras Altas Vinícola é o resultado de 10 hectares de terra que, até então só havia conhecido o cultivo de cana de açúcar. Agora, a história é outra e possui aroma de frutas proeminente, coloração profunda e grande estilo.

Como sabemos, a manutenção e plantação de uvas exigem um cuidado surpreendente, desde ao tipo de solo e o pesar da temperatura, mas isto não foi capaz de interromper o sonho de José Renato. A explicação do surgimento do primeiro vinho ribeirão-pretano foi um sistema inovador de plantação e colheita, chamado “dupla poda”. Ele consiste, basicamente, em trazer o ciclo da uva do verão para o inverno. “Fazemos alguns manejos operacionais e enganamos o metabolismo da planta com duas podas consecutivas, em momentos diferentes dos habituais”, explica Ricardo Baldo, engenheiro agrônomo responsável pelo projeto.

Outro ponto favorável para o vinho “Entre Rios” é a nossa famosa terra roxa. “Assim como o clima, o solo tem muita influência na uva. Então, imaginamos que ele será um diferencial para o nosso produto, uma vez que agregará um paladar diferente, especialmente se falando em uvas tintas”.

Mas por que Entre Rios, certo? Bom, a cidade berço merecia a sua homenagem! O primeiro vinho de Ribeirão Preto traz o nome antigo da cidade. Isso mesmo! Você sabia que Ribeirão já foi Entre Rios? Explicamos essa história aqui. E ainda pensando no clima da cidade, os apaixonados por vinhos querem ir além e criar um universo relacionado ao vinho que agregará, além dos tintos, o rosé e outros produtos produzidos no local: os azeites (cujo olival já está crescendo) e queijos de cabra da raça Saanen e de vaca Jersey.

Dessa forma, a Terras Altas Vinícola se tornará uma vinícola boutique e, portanto, mais uma atração de potencial turístico para a região. “Planejamos salas de degustação dos vinhos, um Wine Garden com uma paisagem deslumbrante e promoveremos cursos.”